CHAGALL NO MASP


Masp segue

a trilha das

gravuras

de Chagall

Marcos Dávila

“Olhe com atenção uma das gravuras, ela sozinha se põe a fabular.” Foi o comentário do filósofo Gaston Bachelard sobre as ilustrações de Marc Chagall (1887-1985) para as fábulas de La Fontaine. E o melhor ainda estava por vir. Nas litografias de “Daphnis et Chloé”, o artista russo alcança aquelas cores vibrantes tão particulares de sua pintura.

Masp – av. Paulista, 1.578, Bela Vista, região central, tel. 3251-5644. Ter., qua., sex. a dom. e dia 25: 11h às 17h (c/ permanência até as 18h) . Qui.: 11h às 19h (c/ permanência até as 20h). Dia 26: fechado . Abertura 23/1. Até 28/3. Livre. Ingr.: R$ 15 (grátis p/ menores de dez, maiores de 60 anos, ter. e dia 25). Estac. (R$ 10 – convênio). a d i

Fonte: Folha de São Paulo

DICA: Se eu não me engano, toda terça-feira o ingresso é grátis!

ENTREVISTA COM A ARTISTA PLÁSTICA VIVI MINORELLI – Trupe Ortaética 2010


Ana Viviane Minorelli, formada pela Universidade Mackenzie, em Comunicação das Artes (1996), se especializou em    fotografia, trabalhando como assistente fotográfico no estúdio Henrique Lorca. Iniciou seu trabalho pessoal na Austrália  onde realizou duas exposições solo “The eye’s compilation” (2006) e “The Ultra Violet” (2008). Em 2009 volta para o  Brasil, conhece a Trupe Ortaética de Teatro Performático onde trabalha como artista plástica e fotógrafa. Produziu o  cenário digital da peça “Perfeição”, participou de varias intervenções de rua e das aulas de teatro fotografando todos os momentos para a produção dos “vídeo-arte” da Trupe Ortaética.

Em entrevista para o nosso BLOG COLETIVO da Galera Ortaética nos disse o seguinte sobre a Oficina de Fotografia que ministrará:

“Por meio da educação do olhar, a oficina promove uma aproximação nas áreas importantes para a formação do artista da luz: em especial das artes visuais no teatro.


A oficina propicia uma melhora significativa na qualidade das imagens, desenvolvendo o olhar fotográfico e o conhecimento de composição, enquadramento e os efeitos que as cores da luz produzem no palco. Será abordada também a importância da linguagem individual de cada aluno.


Metodologia do Curso.


O Curso será dividido em 20% de aulas teóricas (luz, composição, enquadramento e fotografia noturna) e 80% de aulas práticas – saídas fotográficas e registro das aulas de teatro com recurso da iluminação de palco. Edição do trabalho coletivo.


Material necessário: uma câmera digital e tripé (opcional)”

TRUPE ORTAÉTICA É NOTÍCIA NO SITE "ARTE NA ESCOLA"


A Coordenação de um dos sites mais influentes e relevantes de arte/educação do Brasil, o “ARTE NA ESCOLA” entrou em contato conosco para colaborar na divulgação de nossas oficinas gratuitas.

Toda a equipe teatral agradece a atenção e reafirma seu comprometimento de sempre continuar atendendo a comunidade com excelência e respeito, com arte e ideologias, com poesia e reflexão.

Visite o site através do link:

http://www.artenaescola.org.br/index.php

Professor Tiago Ortaet
Arte/Educador e Artista Plástico

CURSOS GRATUITOS – temporada 2010 – DEFINIÇÕES E DESCRIÇÕES


TEATRO

Dedicamos quatro grandes turmas de teatro Performático, em diferentes dias e horários, no nosso calendário 2010 por ser uma tradicional oficina artística da Trupe Ortaética e por entendermos que o teatro é sem dúvida a essência que nos move para as demais linguagens artísticas. Em aulas semanais os alunos terão 20% de aulas teóricas e 80% de aulas práticas.

Nos baseamos em diversas metodologias artísticas e pedagógicas, mas temos algumas que são norteadoras de todo o trabalho, destaque para a pedagogia de Paulo Freire e Vigotsky e a fundamentação teatral do “Teatro do Oprimido” de Augusto Boal.

Nas aulas os alunos terão acesso às experimentações corporais, sonoras, sensoriais e estéticas em aquecimentos, alongamentos, jogos teatrais, dinâmicas de grupo, improvisações, construções de cenas, dicção, voz, relaxamento e produção de espetáculo. Além de tudo isso, temos integrado às oficinas teatrais experimentações em performances de rua e intervenções urbanas.

1) CURSO DE TEATRO – turma A (de 15 a 100 anos) ANUAL – 50 vagas

Segundas- Feiras das 19 às 21hs 30min – Professora SOL

2) CURSO DE TEATRO – turma B (de 12 a 18 anos) ANUAL – 50 vagas

Terças-Feiras das 16:30 min às 18h 30min – Professora SOL

3) CURSO DE TEATRO – turma C (de 18 a 100 anos) ANUAL – 50 vagas

Terças-Feiras das 19 às 21h – Professora Thaís

4) CURSO DE TEATRO – turma D (de 18 a 100 anos) ANUAL – 50 vagas

Sábados das 10 às 13h – Professora Thaís

FOTOGRAFIA

Por ser uma linguagem muito valiosa da nossa Cia, a imagem tornou-se ao longo dos anos combustíveis necessários para nossos vídeos, intervenções e eventos festivos.
Pela primeira vez disponibilizaremos essa oficina temática para a comunidade em geral.
Nas aulas semanais além de técnicas,os alunos serão instigados às percepções urbanas, cotidianas; uma experimentação através de símbolos visuais, a poética do olhar. Haverá saídas pela região central de São Paulo para pesquisa de campo.

Oficina de Artes Visuais no Teatro: Fotografia e Cenário (De 15 a 100 anos) Semestral – 20 vagas

CENÁRIO

Integrado às aulas de fotografia, a questão cenográfica está para nós na vertente das artes visuais dentro do teatro,sendo um importante fator de pesquisa. Nossa concepção de cenário passa principalmente pelo CENÁRIO DIGITAL.
No mesmo módulo de fotografia, os alunos terão conceitos de cenários que serão desenvolvidos para os espetáculos produzidos pelas turmas de interpretação.

Oficina de Artes Visuais no Teatro: Fotografia e Cenário (De 15 a 100 anos) Semestral – 20 vagas

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS

Todo ser humano é por natureza um contador de histórias, por essa premissa a Trupe Ortaética inaugura essa oficina voltada para educadores e pessoas interessadas.
Dentre os conteúdos abordados nessa jornada de aprendizado os alunos terão: Interpretação, breve introdução gramatical, diversas formas de contar histórias, peças confeccionadas pelos próprios alunos com materiais reaproveitáveis (bonecos e cenários), criação de histórias.

OFICINA DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS (Voltado a Educadores e interessadsos de 16 a 100 anos) BIMESTRAL – 30 vagas – Professora SOL

PERCUSSÃO CORPORAL

Nossa visão de que a arte é mesmo um jogo que requer estratégias vinculadas aos sentidos humanos será mais uma vez degustada nessa nova oficina.
Os alunos aprenderão a instrumentalizar o próprio corpo como recurso sonoro. Como o histórico da Trupe Ortaética remete muito às intervenções de rua, os alunos terão como desafio se apropriarem do espaço urbano e seus temas diários para criar sons, aplicando os conteúdos absorvidos nas aulas.

VIVÊNCIA ARTÍSTICA – WORSHOP “A CONSTRUÇÃO EMOCIONAL DO ATOR” (de 19 a 27 anos) BIMESTRAL – 15 vagas

Quartas e Sextas-Feiras das 19:30min às 22h – Alex Giostri

INICIAÇÃO MUSICAL

Integrado às aulas de Percussão Corporal, essa oficina terá um grande artista convidado e um turbilhão de sensações a experimentar.
Os alunos terão noções básicas sobre a estrutura musical e a diferenciação de ritmo, velocidade, intensidade, volume e etc.

OFICINA DE PERCUSSÃO CORPORAL E INICIAÇÃO MUSICAL (de 16 a 100 anos) BIMESTRAL – 20 vagas

segundas-Feiras das 10 às 12h – Professora Thaís

MALABÁRIS

Nosso envolvimento com o circo é constante, seja em nossas pesquisas audiovisuais, teóricas e práticas, seja em nossas intensivas performances de rua provocando a impessoalidade urbana.
Em 2010 temos essa oficina especial com a rica experiência de estreitar as relações das técnicas circenses com nossos alunos. Não temos a pretensão de formar malabaristas, mas sim de aproximar os alunos desse jogo envolvente. Nas aulas semanais os alunos terão aquecimentos, alongamentos, exercícios de coordenação motora e debates sobre a história do circo no Brasil.

OFICINA DE MALABARIS (de 10 a 100 anos) BIMESTRAL – 20 vagas

Quartas- Feiras das 14 às 16h – Césinha Prado

DRAMATURGIA

Essa oficina está em sua segunda edição em nossa companhia, ela aborda a questão da escrita pessoal e coletiva, instiga o aluno a conhecer seus caminhos literários e a fazer uma análise dos detalhes do dia-a-dia.
Obs: Essa oficina terá inscrições abertas apenas no mês de Junho.

A CONTRUÇÃO EMOCIONAL DO ATOR

Curso Exclusivamente voltado para ATORES formados ou em formação, para essa oficina é preciso ter experiência na área cênica.
Serão abordados aspectos de psicodrama e grandes pensadores a respeito da subjetividade do ator interferindo no seu processo de construção de personagem.

VIVÊNCIA ARTÍSTICA – WORSHOP “A CONSTRUÇÃO EMOCIONAL DO ATOR” (de 19 a 27 anos) BIMESTRAL – 15 vagas

Quartas e Sextas-Feiras das 19:30min às 22h – Alex Giostri

Inscrições somente pelo site: http://www.tiagoortaet.com.br até dia 26/02 ou até esgotarem as vagas.
Local dos Cursos: Rua: Galvão Bueno, 782 sala 1209 – 12º andar – Liberdade São Paulo SP (Próximo ao Metrô São Joaquim)
tel.: 3388-1168 ou
DISK-ORTAÉTICA: 9996-4606

AVALIAÇÃO DAS OFICINAS DE TEATRO 2009 parte II


Sol Borges também foi recentemente contratada pela Trupe Ortaética, logo numa fase de muitas mudanças, precisávamos de fato da energia que ela nos trouxe, precisávamos que seu empenho e dedicação somassem às nossas incansáveis lutas diáras por novos espaços, novos projetos e sonhos novos.
Asim aconteceu, Sol brilhou na Trupe e a tendência é que façamos juntos cada dia mais pela Arte e pelas pessoas atendidas.
A profissional é Graduada em Pedagogia e Professora da Prefeitura e Guarulhos, mas sua maior formação, ao meu entender, é a formação que não se aprende em escola alguma, a formação no teatro amador, nos palcos nessa cidade afora.
em 2010 nossa ousadia nos impulsiona a inaugurar após muitos estudos, o curso de CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS também gratuito a todos interessados.
Diante da maratona de atividades de 2009, Sol fez as seguintes observações:

“Prometo ser breve, mas preciso começar do princípio…



Acabei a faculdade em dezembro de 2008 e sem ainda ter algo em vista na minha área, como era amiga de um gerente de loja, fui trabalhar no shopping assim que acabaram as provas na faculdade. O trabalho era exaustivo, às vezes sentia que meu corpo não ia agüentar o pic do fim de ano, enfim sobrevivi. Em julho deste ano decidi que não iria me importar com o que aconteceria, eu nunca dei chance ao azar e decidi sair desta loja mesmo não tendo nenhum outro trabalho em vista. Pedi minhas contas em uma sexta-feira. Na segunda-feira estava em casa e recebi uma ligação inesperada. Era uma funcionária da prefeitura de Guarulhos me convocando para assumir uma sala de educação infantil de um concurso que eu passei, mas que nem sonhava que seria chamada logo. Dei pulos de alegria e até o instante de assinar os papéis não acreditava que era verdade.


O Thiago Ortaet (coordenador da Trupe Ortaética) havia me chamado no começo do ano para integrar a equipe de professores da Trupe, mas por alguns motivos, não foi possível minha contratação. Nesta mesma segunda-feira anteriormente mencionada, o Thiago me ligou perguntando se eu ainda estaria interessada em dar aulas de teatro na Trupe. Foi emoção demais para um dia só. A partir de então, passei a levantar muito cedo e dormir bem tarde, mas só o que eu precisava era dormir, repor as energias e no outro dia começar tudo de novo. Eu amo o que faço.


Trabalhar com crianças nos ajuda a relembrar a pureza que perdemos depois que nossos corpos cresceram.


Trabalhar com pessoas e arte nos torna mais humanos, mais conscientes de que existem pessoas que vivem na “caverna de Platão” e que por questão, muitas vezes ideológica, não conseguem ver o lado de fora. A arte expande horizontes e é muito bom poder dividir, somar e multiplicar experiências.


Faço teatro a 8 anos: já fiz cursos, atuei, dirigi, escrevi, produzi, mas ainda não havia ministrado aulas. Estava com medo, acredite, não é só dar aulas e produzir uma peça no término do curso, lidamos com pessoas, com seus sentimentos, personalidades, problemas, talentos, sonhos, limitações, etc… Mas eu adoro desafiar a mim mesma. E se quiser me ver suando a camisa, diga a palavra mágica: “Eu Duvido”. Não fui perfeita eu sei, mas insisti em fazer o meu melhor.


O coração batia forte a cada aluno que chegava para mais um dia de aula e foi assim até o último dia que estive com eles. Procurei atender as necessidades de interpretação nesse curto período de tempo com jogos teatrais, exercícios, dança, improvisações, enfim, as peças começaram a ser ensaiadas: escolher as personagens, decorar os textos, criar a gênese das personagens, marcações de cena, criar mapa de luz, sonoplastia, ensaios no palco. O tempo é curto, as peças não ficarão prontas… Ensaios extras. Nos desdobramos e enfim, as peças estavam prontas, os atores nervosos, mas prontos para dizerem algo ao público. A mensagem foi passada lindamente, o público aplaudiu. Ainda que uns tenham absorvido mais, outros menos, nem público, nem alunos, nem ninguém sai uma tabula rasa depois de se envolver com o mundo incrível da arte. “ Sol Borges


AVALIAÇÃO 2009 – DRAMATURGIA NA TRUPE ORTAÉTICA


A Trupe Ortaética de Teatro Comunitário tem a honra de receber em seus espaços de cusos o escritor e cineasta Alex Giostri que há muitos anos dedica-se além das artes também à área social.
Voluntário em nosso projeto de Arte/Educação o artista carrega consigo uma bagagem profissional que generosamente é transmitida a nossos alunos sempre em constante formação.
Alex tem brilhantes passagens pela ONG NÓS DO MORRO, pela UFRJ, por jornais relevantes do país e além de seu extenso currículo é editor e autor de diversos livros.
De sua estada na Trupe Ortaética de Teatro Comunitário faz as seguintes reflexões:

“Da trupe o que eu posso dizer é que se trata de uma iniciativa necessária, com fins objetivos, com pessoas engajadas.
Na realidade, toda iniciativa que tenha o outro como fator primeiro deve ser vista como genuína, desde, naturalmente, que esteja no campo da construção, do crescimento, da solidariedade.
As atividades lá oferecidas, na trupe, são de viés artístico, no entanto, carregam todas em suas entrelinhas uma questão da identidade, da formação, e, neste sentido, agem por linhas, às vezes, ou em sua maioria, invisíveis formando ou re-formando indivíduos que a procuram para uma coisa, mas que, na realidade, precisam de outra.
O que quero dizer é que o indivíduo ao procurar uma determinada atividade procura-a por ela mesma, mas também por algum outro motivo, esse de origem desconhecida até a si próprio.
E é desse motivo de origem desconhecida que nós – os educadores e os responsáveis pela formação da identidade emocional de quem nos procuram – precisamos nos ater para assim atender a todos de uma maneira realmente edificadora.



Da minha primeira iniciativa o que posso dizer é que foi inusitada. Nem eu esperava apresentar uma atividade de literatura e dramaturgia fora de uma Universidade.
E foi interessante lidar com pessoas que estavam ali, mas sem um fim objetivo de querer se dedicar à escrita e à dramaturgia. Num curso direcionado geralmente atendo a autores novos e experientes e o que se dá é a troca de olhares, de maneiras de vir uma mesma coisa, uma mesma situação vista por inúmeros ângulos.
É uma troca sadia. E na atividade oferecida dentro da trupe, que não era para autores e sim para quem queria conhecer um pouco mais, o que tentei priorizar foi o lado humano. Na medida em que nós estávamos em grupo, num grupo de pessoas interessadas num assunto, eu propus um mergulho ao mundo interno, que é o que é o mundo de um autor.

O autor vive em sociedade, no entanto, a sua realidade mesmo é interna. Na verdade, a de todas as pessoas, mas há uma tendência natural em acreditarmos que o mundo é aquele ou aquilo que se vê. E não é. O mundo é aquele que se constrói através da maneira de olhar a imagem externa das coisas e das pessoas. O que nós achamos dessa ou daquela pessoa não é o que ela é, é o que nós achamos que é. O que nós achamos dessa ou daquela rua, daquele bairro, não é o que é, é o que achamos que é através de nossa vivência e de nossa tendência natural comparativa, o que é natural e até sadio, sob uma determinada ótica. Enfim: fiz a oficina e penso que a próxima terá que ser melhor, que eu tenho que me prender ao eu de cada um, mas que fundamentalmente que preciso de pessoas que de fato queiram escrever e que escrevam no processo, no decorrer das atividades.


Da minha segunda iniciativa o que posso dizer é que será uma atividade um tanto dura, que mexerá com o eu secreto de cada um. É uma atividade voltada para atores e o que nós iremos discutir em sala serão os sentidos, as reações, as ações, o mundo, as pessoas, as construções, as idealizações, os sonhos, as utopias, a criança.
O que menos interessa na minha sala são as interpretações. Um ator não interpreta na minha sala, ele vivencia a sua própria existência, ele desconstrói aquele alicerce mal construído, aquele alicerce construído equivocadamente.
Trato da alma, das intenções, da vida. Não há ator bom que não seja um homem bom e não há ator bom que não seja culto. E isso não sou eu que digo, basta uma rápida pesquisa na vida dos atores a quem qualquer um de nós admira.
Atuar é uma arte, o ator é uma ferramenta. O emocional do ator é o seu alimento. Como lidar com essa ou aquela emoção se nós não a conhecemos verdadeiramente? Como saber o que dizer no pior momento se nós não lidamos corajosamente com a dor?
O aplauso que me interessa em sala de aula é o aplauso da criança de cada um para cada conquista. Não se trata de egocentrismo, mas de realizações, de motivações, de utopia, de necessidade. A quem for fazer boa sorte. A mim, que eu consiga administrar aos 15 participantes.


Quanto à minha intervenção maior em estar junto à trupe.
Sou um milagre da vida. Fruto da literatura e do mundo da ficção. Não gosto do mundo real. Prefiro a fantasia e sempre que posso estou nela. Ainda prefiro o mundo infantil, mesmo tendo responsabilidades reais e duras de um adulto. Venho dedicando a minha vida às palavras e ao silêncio há alguns anos. Passei doze anos no Rio de Janeiro e os últimos três, recluso num apartamento de frente à praia, numa praia vazia, um paraíso para uma pessoa como eu. Lá escrevi muitas coisas e estudei alguns autores e a mim mesmo. Vim parar em São Paulo há um ano e aqui estou adoecido pelo barulho, pela multidão que passa pelas calçadas diariamente, pela vida dura do dia a dia. Já tenho a certeza que não será aqui a minha velhice. Acredito na troca, creio que daqui não se leva nada. Acredito na educação, na possibilidade de oferecer algo a alguém. Acredito que cada um de nós pode dar um pouco de si para o vizinho, amigo, parentes etc. No meu caso, penso que posso dar esse pouco que sei, e não é demagogia, não é muita coisa mesmo, para outras pessoas que talvez precisem desse meu olhar sobre esse ou aquele assunto.


Quando contribuo com iniciativas como essa, o que não é a primeira vez, eu penso estar colaborando com o país. Penso que se eu puder tocar uma pessoa dentre 30 que passem por mim, eu já realizei o que acredito. E também é uma espécie de lavação de alma. Vejo o mundo, eu acredito na vida, olho-o e sei que dele nada levarei. Pra quê levar o conhecimento então? Vamos dividir. E é o que tento fazer em qualquer iniciativa artístico-educacional a que eu me proponha estar à frente.


Faço o que faço, pois se eu escrevo qualquer pessoa pode escrever. Se eu roteirizo, qualquer um pode roteirizar. Se eu sou boa pessoa, qualquer um pode ser também. Sou, portanto, o que a palavra é para mim, a ferramenta; sou a ferramenta que a vida quer que eu seja. Amém!”
ALEX GIOSTRI

GRATIDÃO POR MAIS UMA PARCERIA – NOSSA ARTE, NOSSA FORMA DE POESIA


À DALTROZO PRODUÇÕES

RUA ITARARÉ, 168 – AP: 96 – CERQUEIRA CESAR – SP – 01308-030.

luquedaltrozo@uol.com.br

A Trupe Ortaética de Teatro Comunitário agradece a DALTROZO PRODUÇÕES a colaboração na formação de nossos alunos de teatro, nossa gratidão é pela gentileza de ter nos sido cedido 15 ingressos grátis para alunos do Curso de Dramaturgia apreciarem o espetáculo “O ano do pensamento mágico”, monólogo de Imara Reis.

Nossa organização artística trabalha na capacitação de crianças, jovens e adultos em oficinas teatrais que creditam autonomia e valores embasados na sociedade contemporânea.

Conosco mais de 600 alunos já concluíram os ciclos temáticos ao longo de nossos três anos de existência; portanto outorgamos a vossos olhares atenciosos nossos mais nobres sentimentos de parceria por uma sociedade mais humana e reflexiva.

Esperamos contar convosco em outras oportunidades e estejam certos de que nossas ações educativas, artísticas e culturais estarão sempre a vossa disposição.

Sem mais.

São Paulo, 27 de novembro de 2009.

________________________

Professor Tiago Ortaet

Coordenador-Fundador da Ortaética®

CURSO DE TEATRO GRATUITO – INSCRIÇÕES 2010


ESTAMOS DE VOLTA!

Esse ano a Trupe tem muito a oferecer! Ampliamos a quantidade e a variedade dos cursos, com o intuito de aprimorar o conhecimento de cada participante.
A largada já foi dada e você não pode ficar de fora:

CURSO DE TEATROturma A (de 15 a 100 anos) ANUAL – 30 vagas
Segundas- Feiras das 19h às 21h30 – Professora Sol Borges
CURSO DE TEATRO turma B (de 12 a 18 anos) ANUAL – 30 vagas
Terças-Feiras das 16h30 às 18h30 – Professora Sol Borges
CURSO DE TEATROturma C (de 18 a 100 anos) ANUAL – 30 vagas
Terças-Feiras das 19h às 21h30 – Professora Thais Aguiar
CURSO DE TEATROturma D (de 18 a 100 anos) ANUAL – 30 vagas
Sábados das 10h às 13h – Professora Thais Aguiar
OFICINA DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
(Voltado a educadores e interessadsos de 16 a 100 anos)
BIMESTRAL – 30 vagas
Quintas-Feiras das 19 às 21h – Professora Sol Borges
OFICINA DE MALABARIS (de 10 a 100 anos)
BIMESTRAL – 20 vagas
Quartas-Feiras das 14h às 16h – Césinha Prado
OFICINA DE ARTES VISUAIS NO TEATRO – FOTOGRAFIA E CENÁRIO
(de 15 a 100 anos) SEMESTRAL – 20 vagas
Quintas-Feiras das 19h às 21h – Viviane Minorelli
OFICINA DE PERCUSSÃO CORPORAL E INICIAÇÃO MUSICAL
(de 16 a 100 anos) BIMESTRAL – 20 vagas
Segundas-Feiras das 10h às 12h – Professora Thais Aguiar e Paulo Gianini
VIVÊNCIA ARTÍSTICA – WORSHOP “A CONSTRUÇÃO EMOCIONAL DO ATOR”
(de 19 a 27 anos) BIMESTRAL – 15 vagas
Quartas e Sextas-Feiras das 19h30 às 22h – Alex Giostri
As inscrições poderão ser feitas via internet: www.tiagoortaet.com.br
Qualquer dúvida contate-nos: 3388-1168 – Disk Ortaética 9996-4606 – E-mail: trupeortaetica@yahoo.com.br – Local: Galvão Bueno, 782 Liberdade (Próximo ao Metrô São Joaquim) Sala: 1209 * 12º andar.